NOVO! Faça agora sua inscrição para o Simpósio - USk Paraty 2014!

30.8.12

Feira livre em Copacabana

Feira livrem em Copacabana. Todo domingo, em torno da Praça Serzedelo Correia acontece essa feira. Muito colorida e barulhenta. Nesse trecho o cheiro também não é lá muito agradável mas vale pelo aspecto da diversidade de coisas que você encontra em feiras.
Algumas feiras cresceram e outras encolheram e já é comum (como é o caso dessa) encontrar verdadeiras lojas temporárias a vender pastéis e caldo-de-cana ou lojas de floristas que chegam a parecer um horto.
Não tenho o hábito de comprar, mas de passear pelo em torno e ver o que lá acontece.

Sketch na Praça Serzedelo Correia em Copacabana.
Marcador Fino, Caneta Lamy Safari e caneta Hero M86 com tinta a prova d'água preta, em sketchbook da Tilibra (210X275 mm)

29.8.12

Terminal Bandeira- SP

Um desenho do terminal bandeira, enquanto esperava o ônibus.
Mais um desenho da torre da Igreja da Vila Mariana.



Abraço a todos!
Hugo

27.8.12

Torre de uma Igreja - Vila Mariana, SP

Há algo de poético nas torres iluminadas durante a noite.

Abraço a todos!
Hugo

III Encontro Mensal em São Paulo

Ontem realizamos o III Encontro Mensal em São Paulo. O local de encontro foi o Largo Santa Cecília.
Fiquei muito decepcionado com o local, apesar de ter algum interesse arquitetônico. Havia muitos mendigos e moradores de rua. Não tenho nada contra eles, exceto quando há gente cambaleando de bêbada pra lá e pra cá. E havia muita gente assim por ali.
O que salvou foi a feira e o pastel de franco com catupiry. Comer pastel de feira é um prazer muito paulistano, penso eu. São quase sempre deliciosos.
Contei pelo menos 7 participantes dessa vez. Mas ficamos em lugares diferentes, não houve muita interação entre nós. Normal. É assim mesmo. Às vezes conseguimos bater um papo, às vezes não. O lugar influencia. Em ambientes mais conturbados é mais dificil mesmo.
E que venha o próximo! Já tenho uma sugestão: o centro empresarial do Itáu, próximo ao metrô Conceição. Lindo projeto paisagistico. Uma área muito agradável. Talvez lá poderemos sentar no chão e batermos um bom papo.
Abraços!

26.8.12


PRAIA DA COCANHA – CARAGUATATUBA – SP


Desenhos de um final de semana em Caraguatatuba.

Devidamente acomodada sobre a areia, desenhei esta vista da Praia da Cocanha, em Caraguatatuba, litoral do estado de São Paulo.

Visual encantador e inspirador para todos ..

25.8.12

Sala São Paulo

Ok, meus desenhos já estão ficando repetitivos! Rs... Semana passada fui assistir ao concerto da OSUSP, na Sala São Paulo. De novo, no coro. Mas dessa vez sentei na primeira fileira, bem pertinho dos músicos... foi um ângulo interessante de desenhar... me senti parte da orquestra! :) Vejam o resultado.


aula de campo - disciplina de croquis

Estivemos, eu e os professores Marcelo Tinoco e Aldomar Pedrini, acompanhando a turma da disciplina de croquis, em uma aula de campo na área das imediações da Igreja do Rosário (o tema do exercício dessa semana será: intervenções em áreas históricas).
Fiz esses registros, levando a discussão para os alunos, acerca da relação entre a igreja e os acessos a ela, realizados a partir das vias, que apresentam um acentuado declive.
A ideia é mostrar a questão do chamado "efeito surpresa" gerado pela própria implantação do edifício barros, com relação ao seu entorno imediato.


(Grafite e cantea STABILO sobre canson)


Já o próximo desenho foi feito nas proximidades do cruzeiro, e defronte a um mirante que possibilita uma fantástica vista para o Rio Potengi. De um lado, o Rio, do outro a preciosidade barroca.
(Caneta UNIPIN) sobre Moleskine)

Alcântara, Ma

Este desenho faz parte de uma série que estou elaborando visando uma provável publicação em parceria com mais dois amigos ( fotos e textos ) !

22.8.12

É o Real!

Depois do término do dia acadêmico, uma passada rápida no Real Botequim, para por a conversa em dia com os amigos.
Ai, juntou a presença, em minha bolsa, das canetas UNIPIN e do estojo STABILO, com a necessária presença dos guardanapos em cima da mesa ,,, resultado: uma série de quatro registros. Entre mesas, cadeiras, quadros e cores.

Praia da Cocanha em Caraguatatuba

Na praia da Cocanha no litoral norte do Estado de São Paulo existe uma Associação de pescadores que formou e administra à 20 anos uma Fazenda de Mexilhões.
Do canto norte da praia a criação de mariscos fica ao lado do Ilhote e da Ilha da Cocanha.



 Da sede da Associação o ilhote fica escondido pela ilha da Cocanha e atrás está a ilha do Tamanduá.

 A praia é grande e larga. Este desenho foi feito mais ou menos do meio dela. Atrás do ilhote da para ver uma ponta da ilha do Tamanduá.
 Na sede da Associação o Zé Guilherme desgruda e lava os mariscos usando essa máquina que recolhe em baixo a agua usada. Depois ele passa para o pai na outra mesa que separa com uma faca os mariscos das cracas.
Tudo é aproveitado, as cracas são moídas e vendidas como adubo, quanto aos mariscos ...
Do lado esquerdo estão secando as cordas onde os mariscos vão se agarrando e que são mergulhadas no mar amarradas à bóias.
Cocanha, segundo uma lenda européia, é o nome de um país imaginário onde tudo é de graça e só vale ser feliz. Foi o que tentamos fazer desenhando na praia.

21.8.12

Charutaria Lollô, Copacabana


Charutaria e Cafeteria Lollô. Sessenta anos em Copacabana. O melhor café do bairro.

Esse lugar é meio mágico. É uma cafeteria que fica na Av. N. S. Copacabana. Está alí há mais de sessenta anos e é referência pela venda de tabaco e café. A cafeteira não para de trabalhar porque o balcão está sempre cheio de gente tomando um café a R$1,00. Tem gosto de café realmente e não falha, o gosto é sempre o mesmo, na medida certa.

Algumas pessoas confundem o lugar onde fica a charutaria com um outro e também antigo ( e já demolido) lugar que se chamava Mercadinho Azul. O curioso é que tudo lá é amarelo, das paredes ao uniforme dos atendentes... mas mesmo assim continuam chamando de... Mercadinho Azul, embora o lugar se chame... Mercadinho Amarelo.

Já frequento a loja há mais de trinta anos. Quando meu filho nasceu eu o levava até lá. Sentava o guri no balcão e tomava um café. Hoje a atendente (a mesma desde aquele tempo) conversa com meu filho que faz hoje 22 anos.

A máquina de café, disse-me essa semana um balconista, está lá há mais de 50 anos. Volta e meia vai ao conserto e é substituida por uma outra mais pequenina. E volta em seguida. Hoje está vazando água por todos os lados. São problemas nas "juntas" que se dilatam e contraem com o calor excessivo. 

Fiquei sabendo que servem cerca de 1000 cafés por dia, todos os dias, porque simplesmente não fecham dia algum no ano.Sempre que posso faço um desenho dessa máquina, que acho bem legal de ver e desenhar.  Coloco aqui em baixo mais dois desenhos que fiz em épocas diferentes, com técnicas diferentes.

No desenho principal usei caneta tinteiro, aquarela e tinta Noodler's na cor beaver (castor) em Moleskine para aquarela (13X21 cm)Todos os desenhos foram coloridos posteriormente.

Esse amarelado foi colorido com uma aguada de tinta acrílica e o posterior com aquarela. Ao final coloquei uma foto do local enquanto desenhava.




19.8.12

Parque Modernista - SP

Olá pessoal! Ontem visitei o parque modernista. Estava pela região, e o achei por acidente. No parque também está a casa projetada por Gregori Warchavchik. Isso me remete a todo o esforço que tenho para tentar entender o que de fato significou o chamado modernismo.
Mas no final das contas, me dediquei a representar a vegetação. E, ao fundo, a casa propriamente dita.

Abraço a todos!
Hugo

18.8.12

Sábado à tarde.

Sábado.
Acordei cedo, lecionei até as onze e quinze.
Almocei e tirei uma soneca.
Sábado à tarde é danado, tremendo vazio.
Buraco na semana.
Acordei tarde.
Tenho que fazer alguma coisa.
Um velho bloco de papel reciclado.
Cálamo de bambu e tinta chinesa.
Meu filho Leonardo e seu eterno jogo online.
Ludovico,o gato,observa entre cochilos.
Pronto.
Está feito.
Meu sábado à tarde já vale.
Um abraço para todos e bom final de semana.

17.8.12

Degradação Urbana-Vila Maria Zélia

Um dia marcamos um passeio num domingo de manhã na Vila Maria Zélia e só fomos a Juliana e eu mas não nos encontramos, então escolhi a Igreja para desenhar porque é uma das poucas edificações conservadas. É uma vila operária que data de 1917 e está abandonada e deteriorando. O galpão à direita no desenho não tem mais janelas e se vê o céu através dele como na maioria dos edifícios. Segue o link do lugar com um pouco da história.
Como o fim do mes de agosto já está chegando, aqui vai minha contribuição para painel sobre Araes Degradadas que o José Clewton pediu.
Abraço

Salão Mundial

Situado na rua Altamiro Guimarães, bairro Oficinas ,em Tubarão.
Em frente a um supermercado.
Desenhei enquanto minha mulher fazia compras.
Aquarelei em casa.
Antiga residência transformada em ponto comercial.
O Salão Mundial faz cortes por dez reais.
Globalização é isso aí.
Um abraço para todos.

 Desenho à caneta esferográfica e aquarela sobre papel sulfite ofício.



16.8.12

talvez seja uma boa ideia!


Pessoal,
Há algum tempo atrás, presenteei um professor amigo meu (George Dantas), com um desenho da sede do América Futebol Clube (de Natal), um belo exemplar da arquitetura modernista, projetado pelo arquiteto Delfim Amorim.
Para minha grata surpresa, recebi hoje uma retribuição de meu presente.
Achei uma ótima ideia!
Abraço a todos,

14.8.12

Cavalariças do Parque Lage, Rio de Janeiro


Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Este é o prédio anexo à mansão na qual se instalou a EAV em 1975.

Ainda hoje o prédio é conhecido como "Cavalariças", porque lá funcionavam efetivamente as cavalariças da família Lage, proprietária do local. O prédio principal foi fotografado por mim há algum tempo e pode ser visto no link a seguir: www.flickr.com/photos/angeloarte/6306558695/in/set-721576...
Utilizei marcador preto fino e aquarela em um pequeno caderno Moleskine para aquarela.

Um pouco de história (Wiki)
A história do Parque Lage data de 1811, quando Rodrigo de Freitas Mello e Castro adquire uma fazenda pertencente a Fagundes Varela, o Engenho de Açúcar Del Rei, às margens da lagoa. John Tyndale, paisagista inglês, recebe, em 1840, a incumbência de reprojetar a fazenda e imprime à estrutura de seu projeto todo o romantismo encontrado em parques de sua terra natal. Em 1859, o parque passa para as mãos de Antônio Martins Lage, por um processo de compra e venda. Neste momento, recebe o nome de “Parque dos Lage”, o qual, mais tarde, no ano de 1900, passa a seus três filhos como herança. Em 1913, a chácara é comprada pelo Dr. César de Sá Rabello, permanecendo como sua propriedade até o ano de 1920, quando Henrique Lage, neto de Antônio Martins Lage, consegue reaver a antiga propriedade da família.
Na década de 1920, Henrique deu início a sua remodelação, convidando o arquiteto italiano Mario Vodret como projetista do palacete que fora de seu pai. Seu estilo era bastante diferente, mesclando diferentes tendências da época, enquadrando seus trabalhos no período da arte que se denominava eclético, o qual agradava a cantora lírica italiana, esposa de Henrique Lage, Gabriela Bezanzoni.
Em seu centro há um pátio com piscina e, em sua fachada, um pórtico bastante proeminente. Os jardins foram concebidos geometricamente, de acordo com a grandiosidade da mansão, de onde se avista o morro do Corcovado.
No ano de 1936, a esposa de Henrique Lages funda a Sociedade do Teatro Lírico Brasileiro e, em 1948, novos habitantes vêm para a mansão dos Lage, os sobrinhos-netos de Gabriela: Marina Colasanti e seu irmão Arduíno Colasanti. A esta época, Gabriela Bezanzoni organizava magníficas festas em que figuravam os mais proeminentes representantes da sociedade carioca.
Entretanto, endividado com o Banco do Brasil por conta de negócios feitos com esta instituição financeira, Henrique Lages precisou desfazer-se de parte de seu patrimônio. Entregou parte de seus bens ao banco como pagamento e, a outra, vendeu para empresários particulares. A fim de fazer sobreviver o Parque, foi tombado como patrimônio histórico e artístico com a ajuda do governador Carlos Lacerda.
Na década de 1960 parte do terreno chegou a ser comprada pelo empresário Roberto Marinho para a construção da sede da TV Globo entretanto toda a propriedade foi desapropriada e convertida em um parque público. No palácio funciona a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, criada em 1975 pelo Departamento de Cultura da Secretaria de Estado de Educação.
Em 1967, Glauber Rocha usou a construção em estilo eclético como sede do governo da cidade de Alecrim, no fictício país de Eldorado, cenário de Terra em Transe, filme estrelado por Paulo Autran, José Lewgoy, Glauce Rocha e Jardel Filho, entre outros.
Em 2002, o cantor estadunidense Snoop Dogg e a dupla The Neptunes, gravaram uma parte do clipe da música Beautiful no Parque Lage.

Itapirubá

Praia de Itapirubá, litoral sul de Santa Catarina.
De acesso difícil nos anos sessenta.
As dunas cobriam a estrada frequentemente.
Íamos de Land Rover 1954 três marchas.
Não havia eletricidade,lampião à querosene.
Àgua de ponteira, bomba manual.
Algumas casas e barracos de pescadores.
Hoje  o acesso é pavimentado e começou a verticalização.
Invasão de  "estrangeiros", gaúchos e paulistas na maioria.
O preço dos terrenos, exorbitante.
Começou a verticalização.
Estas casas de madeira em frente à praia são das poucas que restam.
Um abraço para todos.


Caneta Mitsubishi 0,3 mm e aquarela sobre papel Canson Tourchon.

13.8.12

Mistura e manda

Uma cidade é feita da mistura das culturas dos seus cidadãos.
Aqui dois momentos do nosso lado japones
 Obras na praça da Liberdade.
Tinha muito mais gente passando mas começou a chover e tive que por a cor em casa.
Parque do Carmo
Festa das cerejeiras, tradição japonesa importada por São Paulo.
Ficar sentado em baixo de uma das mais de trezentas cerejeiras em flor não tem preço.
Dura só alguns uns dez ou quinze dias. 
No ano que vem não perca!

12.8.12

Travessa da Avenida Paulista

Olá pessoal! Hoje, dia ensolarado de domingo, perambulei lentamente pelas ruas nas cercanias da Av. Paulista. É muito diferente da própria.



abraço a todos!
Hugo

Mostre sua força destino


Andando pela região do Belém, numa tarde rara de tranquilidade, parei para tomar um café e pensar na minha vidinha. Tinha tempo, não estava com pressa. Decidi rabiscar por acaso, como sempre me ocorre. Tirei o caderno da bolsa e desenhei enquanto proseava com o balconista sobre futebol e outras amenidades que conversamos com desconhecidos. Enquanto traçava lembrei dessa frase que está escrita no canto direito da folha (no desenho acima). Ela ecoou na minha cabeça. Anotei a citação , mas até agora não consigo me lembrar aonde foi que eu li isso.

"Mostre sua força, destino. Não somos donos de nós mesmos..."

De qualquer modo, a frase não é minha e nem sei se concordo com o que ela expressa, mas... 

É bom estar sempre com o caderno de desenho por perto. Ele é o nosso melhor amigo e parece saber quando precisamos registrar algo.

Dias depois fiz um desenho parecido numa circunstância semelhante, só que dessa vez foi na região da Paulista, perto do Itaú cultural.


Antigamente eu fazia bastante esses desenhos em bares. Tenho até uma coleção de guardanapos (mais de cinquenta) com registros feitos durante vários anos. Foi meu principal tema durante um bom tempo, até porque eu passava a maior parte do meu tempo livre dentro de algum. 

Resolvi tirar uma foto pra mostrar alguns desenhos feitos em guardanapos. São antigos, mas como dizem: "Recordar é viver". Outra citação que não faço a menor ideia de onde vem.


(Clique nas imagens para ver maior)









Sala São Paulo

Continuando minha série de desenhos na Sala São Paulo...! Dessa vez fui assistir a um concerto da Jazz Sinfônica. O maestro era o Francesco La Vecchia e o pianista, solista da primeira parte do concerto, foi o Flávio Varani. O programa contemplava Gershwin e Bernstein. A peça que mais gostei de ouvir foi "Um Americano em Paris"! Mas o bis do pianista também foi excelente: Dansa Negras, de Yo-Yo Ma.

Bom, depois de tantas informações, segue o desenho que fiz. Meu lugar preferido da sala, o coro, visto de um dos camarotes. Dessa vez o coro estava vazio...!


8.8.12

Monstrengo Azul

Na esquina entre a Av Tancredo Neves e a Rua Lauro Muller.
Edifício profusamente decorado com publicidade e um enorme outdor na cobertura.
Será que isto ajuda mesmo a vender?
Poluição visual.
Degradação comercial e urbana.
Um abraço.

Cálamo de bambu,tinta chinesa e aquarela sobre papel Canson Tourchon.