11.7.19

Conheça os correspondentes: Ekaterina Churakova, de Belo Horizonte/MG

Hoje apresentamos a coordenadora do USk Belo Horizonte, Ekaterina Churakova, ou Catarina, como ela também é chamada.


Ekaterina é russa e vive no Brasil há 3 anos. Nesse pouco tempo em nosso país ela já construiu uma carreira sólida como designer e sketcher. Assumiu e deu novo gás ao USk BH, foi uma das coordenadoras do IV Encontro Urban Sketchers Brasil - Ouro Preto 2019, faz sketchbooks incríveis com a sua marca "Ah! Sketchbooks" e, reza a lenda, dança forró como ninguém! kkkkkkk

Fora tudo isso, Ekaterina ainda conseguiu tempo para assumir o perfil do USk Brasil no Instagram e está fazendo um trabalho fantástico.



Aqui está uma descrição dela por ela mesma:

"Meu nome é Catarina Churakova, venho da Rússia e sou designer e ilustradora. Há quase 3 anos me mudei para o Brasil e atualmente moro em Belo Horizonte. Terminei o Curso de Design Gráfico na Academia Estatal de Arte e Indústria Barão de Stieglitz, de São Petersburgo. O design é minha fonte de renda, mas a minha paixão é desenho e ilustração. E esta paixão me levou ao grupo Urban Sketchers. No momento, junto com alguns colegas, estamos coordenando grupo Urban Sketchers Belo Horizonte"

Instagram: @catarina_chur

Face: https://www.facebook.com/ekaterina.churakova.7

Ah! Sketchbook: https://www.facebook.com/AhSketchbook/



Na sequência, algumas belíssimas obras da Ekaterina:








9.7.19

02.06.2019
 
3º e último dia de encontro de desenho
O local escolhido foi o Bairro de Ponta Negra. Os trabalhos iniciaram-se na praia.
  
 
 
  
A praia, mais do que um espaço de lazer, é um espaço de trabalho. É impressionante a quantidade de negócios desenvolvidos neste areal.
 
 
 
 
 
Falar de património de Natal, obriga-nos a falar de património imaterial, como é o caso da Janaina, um homem que se veste de mulher e "dá música" aos natalenses, há mais de 20 anos. A melhor música da praia.
 
 
 
 
 À tarde fomos para a Tapiocaria da Vó, um espaço pitoresco do bairro de Ponta Negra.
 
À nossa espera tínhamos comida, as rendeiras de Ponta Negra e um grupo musical local.
 
 
 
Durante o encontro fomos brindados com a presença de um grupo de crianças que habitualmente percorre o bairro, pintando murais - "As Cores do Bairro".
 
 
 
Igreja de São João Baptista
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

7.7.19

Natal - Diário de Bordo - Parte VII

1.06.2019 - 2º dia do Encontro de Desenho
 
Antes do Encontro começar, demos uma volta pela Ribeira.
 

Os desenhos hoje aconteceram na Ribeira Alta. Os primeiros foram na Praça Padre João Maria.


Ao fazer o desenho, fui convidado pelo proprietário a visitar esta casa que se encontrava em obras de reabilitação. Uma agradável conversa que me permitiu conhecer a história da casa, da praça e também da cidade alta.


A praça de manhã é bastante vivida. Para além do mercadinho, é ladeada por algumas lojas e pela igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação. Tentei captar esse movimento…


A tarde foi dedicada ao Forte dos Reis Magos. Antes de entrar, tentei registar a cidade lá ao fundo, mais precisamente Ponta Negra, onde as torres "imperam".

 


E a Ponte…


Até que entrei no Forte…
 


E voltei a sair.. Estava um pôr-do-sol incrível, um dos mais belos que presenciei. Chegou a hora da despedia (do Forte).


À noite visitámos o Beco da Lama. As ruas inundadas de samba, natalenses e muita alegria, afinal é sábado à noite…




30.6.19

Natal - Diário de Bordo - Parte VI



"Construída na primeira metade do século XVIII, foi a quarta igreja edificada em Natal, nove anos depois da construção da Igreja de Santo Antônio. Em 1774  foi também sede da capelania militar do Exército. No governo de Dom Joaquim de Almeida a capela passou para os padres franciscanos e em 1913 foi dirigida pelos padres da Santa e Sagrada Família.
A capela original não possuía suas duas torres como hoje. Tinha uma fachada barroca, com belíssimo frontispício, quase semelhante ao da Igreja de Santo Antônio. Câmara Cascudo que lá foi batizado pelo Padre João Maria, diz que “apesar da Ribeira ser um bairro residencial e com o maior comércio a Capela foi sempre modesta, sem esplendores e seduções materiais”. Tornou-se matriz do Bom Jesus das Dores com a criação da paróquia do mesmo nome, por decreto de Dom Marcolino Esmeraldo de Souza Dantas, na data de 9 de janeiro de 1932.
A bela praça em frente a Igreja não existe mais. Em nome do "progresso" o jardim foi substituído por um cruzamento de ruas para melhoria da Ribeira. Hoje resta apenas  um canteiro inexpressivo no tumultuado trânsito local. Mas a Igreja continua ali, imponente, bem cuidada, sem dúvida um dos mais belos templos da cidade. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Antigo prédio centenário da loja de confeções A Samaritana. Ruína.
 
 
 
Galeria de Arte B-612. Antigo banco que foi reabilitado pelo Sr. Anchieta, atual proprietário da Galeria, localizada na Rua Dr. Barata. Esta galeria é aberta aos artistas que não têm condições para ter um atelier próprio e que aqui encontram todas as condições para trabalhar e comercializar as suas obras diretamente com o público. Esta parceria resulta de um programa criado pelo Sr. Anchieta - "Criador e Criatura".
 
 
Ao sairmos, encontramos uma calçada singular - "Calçada de Natal", desenhada por um arquiteto natalense.
 
 
 
 Beco da quarentena. Onde os militares americanos ficavam em quarentena, quando chegava a Natal. Pela quantidade de homens que aqui residia, rapidamente se instalou neste beco um dos principais pontos de prostituição de Natal.
Eis que chegámos à Casa da Ribeira, um centro cultural dedicado às artes do Teatro.
 
Voltámos ao Café-Salão Nalva. Início do 1º Encontro Urban Sketchers Norte-Nordeste - Brasil
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Acabámos o dia, com um grande concerto - Líquidos Modernos, um grupo composto por antigo alunos da Universidade UFRN.