27.6.16

Manhã de Domingo. (Sunday Morning)



Olá a todos, matando um pouco da saudade do blog do USK.
Embora simples achei que este post tinha sua importância.

Hello everyone , returning to the post USK Blog . Although simple thought what this post has importance .

Este desenho foi feito na manhã de domingo dia 27/06 no Parque Villa Lobos em São Paulo - SP.

This drawing was done in the morning of Sunday 27/06 at Villa Lobos Park in São Paulo - SP- Brazil
Nesta época do ano, São Paulo tem manhãs bem frias, mas esta de domingo embora fria já ameaçava um belo sol. E isso foi mais que suficiente para dar uma fugida ao parque para uma boa pedalada.
Carregado com uma mochila com papel e aquarela somente.
Ai está o problema, esqueci de levar lápis. Então tive de pintar sem desenhar nada.
Ai vai uma dica, aos marinheiros de primeira viagem.

This time of year , São Paulo has very cold mornings , but this Sunday although cold already showed a beautiful sun. And that was more than enough to go to the park for a good ride. Loaded with a backpack with paper and watercolor only. The problem was , I forgot to bring pencils. So I had to paint without drawing anything.
There's a tip for the first-timers .

Primeiramente separe visualmente onde estará a linha do horizonte (L.H) pois em desenhos como este você poderá ver uma predominância da luz na parte inferior já que o piso claro ou a grama irão refletir a claridade. Neste caso o L.H está um pouco abaixo das pessoas pois estava sentado ao pé da árvore.
Em seguida lembre-se que espaços grandes tendem a nos fazer perder o ponto de fuga, por isso se utilize das pessoas que passam para criar um ponto de fuga, e uma zona de interesse.
Por Último, particionar seu desenho em 2 partes ajuda a criar uma temática para cada lado e gerar a sensação de que a árvore esta em Primeiro plano, fortalecendo a perspectiva.

First separate visually where is the line of the horizon (L.H) as in drawings like this you can see a predominance of light at the bottom as the clear floor or grass will reflect the light. In this case the L.H is slightly lower because people sat under the tree . Then remember that large spaces tend to make us lose the vanishing point , so if you use people that go to create a vanishing point , and an area of interest. For Last , partition your draw into 2 parts helps to create a theme for each side and generate the feeling that the tree is in the first plane, strengthening the prospect .

Espero que tenham gostado e seja útil.
Obrigado a aqueles que leram,
Um forte abraço a todos!

Hope you like and find it useful. Thanks to those who read , A big hug to everyone!

21.6.16

a presença dos negros no Seridó potiguar

Durante este final de semana (na verdade nos dias 18, 19 e 20) estive mais uma vez em terras seridoenses, e desta vez acompanhando um projeto de extensão da UFRN que tem como foco a identificação da presença negra no Seridó Potiguar, que podemos observar tanto nas igrejas dedicadas a Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (e também as Igrejas em que ocorrem os festejos de Nossa Senhora do Rosário), , bem como nos espaços das Irmandades e também em comunidades Quilombolas, como é o caso da Comunidade da Boa Vista, situada no município de Parelhas.
Foram três dias de conversas engrandecedoras (tanto entre os componentes do grupo - das áreas de História, Antropologia, Ciências Sociais, Letras, Arquitetura - como também com os integrantes das Irmandades, da Igreja Católica, e da Comunidade Quilombola.

Verdadeiras aulas de História!







19.6.16

2º USK Florianópolis

Foi neste sábado 18 de junho de 2016.
Dia frio e nublado.
Nos encontramos no Ceisa Center, importante edificação no centro da cidade.
Fiz um desenho  deste e após desenhei o campanário da Igreja Luterana a prestes a ser engolido por um dinossauro em construção no fundo.
Foi muito bom reencontrar os amigos e passar duas horas bastante agradáveis.
Um abraço para todos.



 


14.6.16

Leonardo Da Vinci e eu.


Perambulava pela Vila da Glória e já havia desenhado uns barcos no trapiche. Estava com fome e procurei um lugar pra comer e fazer um desenho de barriga cheia, que é melhor. Pedi o tradicional caldo e pastel e comecei a desenhar a sorveteria logo em frente, com uma baita árvore compondo a cena.

Na mesa próxima alguns amigos conversavam animados, já meio altos. Um deles, mais curioso, ordenou ao filho num tom de voz elevado e nada sutil - Vai lá e pergunta pra ele o que ele tá fazendo? O menino veio, tímido, e perguntou o que eu fazia. - Tô desenhando. Respondi. O menino voltou e informou ao pai. Ainda insatisfeito inquiriu o menino: - Mas tá desenhando o quê? Vai lá e pergunta pra ele. O menino veio, resignado e curioso, respondi: - aquela sorveteria ali, e antes tava desenhando os barcos. Mostrei a ele. O mensageiro volta, informa ao pai que finalmente vem verificar pessoalmente o que eu estava fazendo. Olha admirado e faz elogios. Volta à mesa e conta o que viu aos outros. Um deles, bochechas vermelhas e bem "animado" começa a gritar "você é o cara! você é o cara!", mesmo sem ter visto nem um traço na distância que estava. O pai, que se gabava com histórias másculas, teve uma ideia, veio impetuoso em minha direção, acompanhado do herdeiro. - Você desenha tudo né? Tentei explicar que não era bem assim. Não se importou e continuou. - Então, lá na frente da minha casa tem uma parede branca, você pinta uma Santa Ceia lá pra mim? É.. quer dizer. Não me deixou explicar e continuou: - nem precisa se preocupar com tinta, eu tenho tudo, pode deixar, você vai pintar a Santa Ceia lá em casa! Não consegui me desvencilhar da determinação alcoólica dele, pegou até meu telefone e tudo mais. Mas por sorte minha, nunca ligou.

Hoje, passado algum tempo, fico pensando. Pra aquele cara eu era o gênio, o Leonardo Da Vinci das quebradas que brotou na sua Vila e podia pintar uma obra-prima na fachada do seu lar sagrado, seu templo familiar. É claro que não era um cliente muito afável e nem muito santo, para a pintura de uma cena tão divina e elevada. Mas a Igreja Católica também não era, né Leo?

Deu vontade de ter feito minha ceia bíblica com o Cristo dividindo uns pastéis e tomando caldo-de-cana num balcão de lanchonete. Deu vontade...


1.6.16

Preto no Branco, ou Branco no Preto????

 
Caderno A5, artesanal (cartolina preta), oferecido pela artista plástica brasileira Márcia Rosenberger.
A Márcia tem desenvolvido um trabalho incrível nos seus diários gráficos - investigação sobre a/s memória/s, onde mistura desenhos, aguarela e colagem de textos e fotografias antigas.
 
"A memória é a consciência inserida no tempo" - Fernando Pessoa
 
Obrigado por Márcia, conseguiu um grande feito: abandonei a caneta de tinta preta :-)