4.12.16

Tarde nublada no MAM-RJ.


No último dia 23 de novembro, eu e alguns alunos fomos curtir uma tarde nublada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. O resultado foi esse.
Aquarela sobre papel Canson 300g.

30.11.16

Caderno de Campo _ Encosta de S. Vicente IV

Há subidas que custam, mas no final vale sempre a pena.

Segui o exemplo do Pedro Alves e comecei a usar as horas do almoço para exercitar o corpo e a mente...desenhar, entenda-se...

Esquerda - Rua Aníbal Gaspar (Choupal); Direita - Rua das Escadas (Matadouro).

2 bons motivos para visitar Torres Vedras

2 bons motivos para visitar Torres Vedras
o Natal no Centro Histórico e a exposição "Histórias do Zambujal: 50 anos do Instituto Arqueológico Alemão em Torres Vedras" (Museu Leonel Trindade).




27.11.16

"GRACIAS A LA VIDA!" registros em Santiago do Chile.

“Gracias a la vida que me ha dado tanto 
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto 
Así yo distingo dicha de quebranto 
Los dos materiales que forman mi canto 
Y el canto de ustedes que es el mismo canto 
Y el canto de todos que es mi propio canto”

Violeta Parra


Estive nesta semana em Santiago do Chile, participando do I Congreso Iberoamericano de Historia Urbana. Minha participação esteve vinculada à mesa-redonda “Novos olhares e instrumentos de apreensão do patrimônio edificado: experiências no Brasil e em Portugal”, com a apresentação do artigo ” (Re)Conhecer pelo Traço: atividades de registro e apreensão do patrimônio edificado das cidades barrocas brasileiras”, em que discuto a relação entre História da Arquitetura e Urbanismo e desenho como linguagem.





Aproveitei o período de estadia na capital chilena para conhecer a cidade e fazer registros para guardar essa que foi a minha primeira visita a um pais da América Latina.

Os registros começaram pela própria Universidade que recebeu o evento. No caso, a PUC – Lo Contador (o evento ocorreu também na UC – Campus Andrés Bello, porém não fiz nenhum registro deste espaço, por estar bem envolvido com as apresentações). 



Não poderiam faltar os registros nos locais tradicionais da cidade, como a Catedral, dedicada à Nossa Senhora do Carmo; o Convento Franciscano; a casa de Neruda em Santiago, denominada “La Chascona”; o Mercado Central.







Em uma das caminhadas, registrei o edifício do Museu Nacional de Belas Artes em três escalas de aproximação: um desenho interno, um desenho a partir da praça que fica em seu entorno imediato, e um desenho em uma escala distanciada, a partir de uma janela visual apreendida do Cerro de Santa Lucia. Na descida do Cerro, um desenho da Praça de Netuno complementou os registros deste agradável passeio.





Dei uma atenção especial a projetos contemporâneos, de requalificação da área central. Fiquei bem impressionado com a qualidade espacial destes edifícios. De um conjunto mais amplo – é uma pena não ter tido mais tempo para registrar todos – consegui registrar o Museo da Memoria e dos Derechos Humanos – de autoria dos brasileiros do Estúdio América –, o Museo Violeta Parra, o Centro Cultural Gabriela Mistral, e a intervenção na Estação Mapocho.





É lógico que registrei também bares e restaurantes. No caso, é necessário elogiar o “Como Água para Chocolate”, pelo espaço, pela gastronomia e pelo atendimento, todos impecáveis!


Para finalizar, um registro que, com toda sinceridade, não fui capaz de revelar a grandiosidade do lugar: sempre fui atraído pela Cordilheira dos Andes, mesmo sem ter pelo menos posto os pés no Chile. Nesse primeiro contato, a grandeza deste espaço me fez não tirar da cabeça os versos de uma canção que sempre me acompanhou, e que fiz questão de iniciar essa narrativa com trechos desta canção.

“GRACIAS A LA VIDA!”



E QUE VENHA A CIDADE DO MÉXICO, EM 2019!

ENCONTRO URBAN SKETCHERS SÃO PAULO NO MUBE

Encontro na manhã ensolarada de domingo de 27 de novembro de 2016 ..
Foi no MUBE Museu Brasileiro de Escultura .. sob a marquise, a feirinha de antiguidades ..


Mais a frente, a Arminda de Sônia Ebling sob o olhar dos amigos sketchers e mais um garotinho que inspirado neles, decidiu sketchar ..

25.11.16

Retrospectiva Urban Sketchers Curitiba

Foto: Ari Lopes da Rosa

Inauguramos ontem uma exposição de retrospectiva de trabalhos do grupo Urban Sketchers Curitiba, na Gibiteca – Solar do Barão. Neste lindo espaço cultural, construído em 1880, para servir de residência ao ervateiro Ildefonso Pereira Correia – o Barão do Serro Azul, estão reunidas importantes unidades da Fundação Cultural de Curitiba, relacionadas às artes gráficas: o Museu da Fotografia, o Museu da Gravura, o Museu do Cartaz e a Gibiteca. A sala é linda e possui além de um espaço amplo expressivo, mesas de vidro onde pudemos expor materiais, sketchbooks, originais, livros e cartazes. É como se as obras da parede espelhassem o modus operandi e as almas de cada artista preservadas sob o vidro. A exposição segue aberta até dia 28/2/17. Visitem e convidem seus amigos! O endereço fica na Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533 – Centro.  

Foto: Washington Takeuchi

Foto: Rogério Shibata


Foto: Fabiano Vianna

Simon Taylor

_ _ _ _ _ _ 

Urban sketchers são criaturas bem estranhas. Aparecem de repente, de todos os cantos da cidade. Munidos de aquarelas, marcadores, canetas, penais, pincéis, cadeiras de praia, bancos dobráveis. Com objetos estranhos e motivações curiosas – desenhar tudo o que veem.
Invadem as praças e sítios urbanos. Surgem acompanhados de fotógrafos igualmente estranhos.
Ao anoitecer, voltam para suas casas com seus sketchbooks lotados de desenhos. Satisfeitos como pescadores – com samburá cheio de peixe.

Foto: Fabiano Vianna


Alguns passam os dias da semana retocando as paisagens. Uma pincelada aqui e outra acolá.
E somente quando reveem as aquarelas é que realmente aproveitam as cenas desenhadas.
Como se o real só pudesse ter acontecido se foi desenhado.
O desenho é a prova que esteve e vivenciou os fatos.
Fazer um sketch (assim como a fotografia), é de certa forma se apropriar dos instantes. Capturar o tempo. Mas não é como a fotografia. Cada fotografia guarda em si minúsculos milésimos de segundos e dentro de cada sketch dormem centenas de fotografias.
Os uskers (como costumamos chamar) levam para suas casas a cidade na forma de sketches estáticos congelados.
Mas alguns detalhes os desenhos não conseguem enlaçar: as conversas sobre materiais e pincéis, os causos de viagem, as experiências com “uskers” de outras cidades, as histórias dos amigos fotógrafos, as preferências gráficas e descobertas novas...
O Urban Sketchers Curitiba surgiu em Junho de 2015 – totalmente conectado ao movimento dos desenhistas de rua, que em diversas partes do globo, empenham-se em capturar a vida das cidades.

Foto: Fabiano Vianna

Foram 75 encontros semanais (até agora) com centenas de desenhos fantásticos. Desde lugares tradicionais como – MON, Jardim Botânico, Rua XV de Novembro, Rua 24 Horas, Solar do Rosário a outros inusitados como – uma fábrica de aviões no Bigorrilho, ensaio da Orquestra Sinfônica do Paraná, Templo da Ordem Rosa Cruz, uma casa de madeira atrás da moita protegida por rasantes de andorinhas de porcelana, casas portuguesas temperadas com traços de Lolô Cornelsen, um templo de Musas Pitagóricas invisíveis, o ensaio de um balé fugaz, o escritório de um arquiteto renomado, uma casa de lambrequins de ovelhas sem ovelhas, um antigo moinho ocupado, uma remota fábrica de fitas dominada por trepadeiras, a casa-museu de Vilanova Artigas...




Fotos: Washington Takeuchi

Dizem que cada cidade possui uma luz, nebulosidade e atmosfera própria. Se isso for verdade, cada uma possui seus urban sketchers únicos. E dentro de cada um, uma infinidade de paletas, técnicas, pontos de vista, nasceres de sol, chuvas, lembranças e criaturas.
Urban sketchers são criaturas bem... 

(Fabiano Vianna, 24/11/16)

24.11.16

"Not In This Lifetime"

No ultimo dia 17, a banda norte-americana Guns N Roses, aterrissou em Curitiba para o show histórico da turnê "Not In This Lifetime" em tradução livre "Não nesta Vida", frase esta, que o vocalista Axl Rose disse ao ser perguntado quando a banda voltaria aos palcos com a formação original. E para nossa felicidade, Axl estava errado e novamente estava acompanhado do guitarrista Slash e do baixista Duff McKagan, após 23 anos, para um show incrível. 


O show aconteceu na Pedreira Paulo Leminski, uma pedreira desativada que foi transformada em um grande espaço para espetáculos, a formação rochosa de aproximadamente trinta metros de altura permeia todo local, abraça tudo e a todos. 


Fiz os croquis em meu sketchbook, de pé mesmo, ali na região onde aguardávamos ansiosos pelas canções marcantes, como: “Welcome do the Jungle”, "Live and let Die", “Sweet Child O’ Mine”, “November Rain”, “Knockin’ on Heaven’s Door” e “Paradise City”

Foi lindo!
Abs...

21.11.16

14º Encontro USK Fortaleza - Náutico Atlético Cearense

Fotografia por Fabrício Porto
No feriado do dia 15/11/2016 realizamos, nas dependências do Clube Náutico Atlético Cearense, nosso 14º Encontro USK Fortaleza. Essa foi a edição com a maior participação de desenhistas. Foram setenta e cinco Sketchers no total produzindo grafites, aquarelas, aguadas de nanquim, dentre outras técnicas.

O Náutico, cuja fundação data de junho de 1929, nos ofereceu uma pluralidade enorme de temas e dentre eles o belíssimo edifício projetado pelos arquitetos Emilio Hinko e Roberto Vilar Ribeiro no final da década de 1940. Com simetria de eixo diagonal (relativa ao salão central em forma circular), o prédio apresenta fachadas ricamente compostas por arcos, cornijas, esquadrias em vidro e venezianas, além de grandes colunatas inspiradas no estilo Dórico delineando grandes varandas que abraçam o pátio central e o salão principal. A pintura, na cor verde com detalhes brancos, contrasta de forma harmoniosa com os vários planos de telhados em telha cerâmica vermelha. Detalhes nos forros, arcos, escadas e painéis também ornamentam e conferem elegância aos ambientes internos do clube. 

Temos que deixar registrado nosso agradecimento à diretoria do clube que nos deu fundamental apoio oferecendo água, mesas e cadeiras além de deixar as dependências do clube totalmente à nossa disposição. Os Sketchers registraram diversos ângulos do conjunto de edifícios, dos detalhes das fachadas, escadas, mobiliário e também dos próprios participantes como vocês podem conferir abaixo. Foram mais de 80 desenhos! Sensacional!


Fotografias por Fabrício Porto


Fotografia por Fabrício Porto

Fotografia por Fabrício Porto









 















Fotografias por Fabrício Porto

Fotografias por Fabrício Porto